Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quase D(d)iário, Quase Tudo

Diário com D grande, porque é quase como os Diários onde se escreve o que vai cá dentro! diário com d pequeno, porque se escreve quase diariamente... Quase tudo, porque algumas coisas vou guardar só para mim

Quase D(d)iário, Quase Tudo

Diário com D grande, porque é quase como os Diários onde se escreve o que vai cá dentro! diário com d pequeno, porque se escreve quase diariamente... Quase tudo, porque algumas coisas vou guardar só para mim

20
Jan17

A Morte é estúpida?

miamarie

A Morte é estúpida, sim, quando faz questão de tirar tapetes de debaixo dos pés, quando faz questão de fazer mundos tremer. Quando provoca incredulidade, perplexidade, quando ela atrofia. Quando faz sofrer. Quando faz chorar.

A Morte é estúpida quando desmoraliza e entristece, quando faz pensar como raios se sobrevive à saudade, como raios se segue em frente.

A Morte é estúpida quando, não lhe bastando levar quem morreu, teima em levar um pedacinho a quem ficou.

Quando a Morte vem desanunciada, sem que por ela se esperasse, é um choque. Quando ela vem de formas poucos naturais, é uma tragédia.

E ainda que a Morte venha quando já era prevista, raramente se está devidamente preparado naquele derradeiro momento em que ela chega.

Não importa quem a Morte veio buscar, não importa se é amor ou familia, se é amigo ou só colega, se é conhecido ou só quem se vê na tv, de quem se compre bilhetes para concerto, de quem se compra CD. Quando ela chega, a Morte, tem como alvo deixar a  poucos indiferentes, o seu alvo é mexer com muita gente.

Sim, a Morte pode ser mesmo estúpida.

Mas também pode ser lição de vida.

A Morte pode fazer refletir, pode levar a pensar nas palavras que não foram ditas, em todos os silêncios que não se quebraram, em todas as vezes que os braços não se descruzaram, nas festas de aniversário a que se faltou, na prenda que não se deu, no incentivo que se calou, no sorriso que não se partilhou.

A Morte pode fazer pensar em tudo e em quem ainda não se alcançou, ela pode fazer pensar nos sitios onde o pé não calcou, onde a mão não afagou.

A Morte pode trazer desejo de fazer diferente, pode trazer vontade de não voltar a desperdiçar. Ela pode trazer vontade de arriscar. 

Da Morte pode nascer coragem, coragem para ultrapassar timidez e vergonhas, coragem para ultrapassar limitações, coragem para quebrar padrões. Coragem para pedir perdão, coragem para perdoar.

A Morte pode ser professora que ensina, circunstância que transforma.

Ainda que ela mate, a Morte também faz crescer.

 

 

 

 

 

 

22
Nov16

Deuteronômio 31:8

miamarie

nevoeiroentrepinheiros.jpg


"O próprio Senhor irá à tua frente e estará contigo; ele nunca te deixará, nunca te abandonará. Não tenhas medo! Não desanimes!" (Deuteronômio 31:8)

Ainda que o caminho que tens à tua frente se assemelhe a um carreiro estreito e íngreme e o chão te pareça cravejado de pedras e ervas altas, as bermas engolidas por nevoeiro e a luz do sol mal atravesse o cinza escuro do céu, ainda que o caminho te seja incerto e desconhecido, não temas, o Senhor é contigo!

Ainda que o amanhã seja algo que nunca viste, algo nunca antes experimentado, ainda que o amanhã te mantenha distraído de dia e à noite acordado, não temas, o Senhor é contigo.

Deus, Ele mesmo, é quem te ajuda a desbravar caminhos, a enfrentar desafios, Deus, Ele mesmo, é quem te ajuda a vencer medos, a saltar desconhecidos e ultrapassar "nunca vistos".

Não estás, nunca estiveste, jamais estarás sozinho.

15
Nov16

Amor...

miamarie

Não precisas de dizer que sou a mais bela de todas, de facto, não sou.

Diz só que sou  perfeita, porque a verdade é que sou.

 

Sou perfeita, sou tudo que precisas e almejas, sou o teu desejo, teu sonho, teu anseio.
Em mais ninguém me encontrarás.
Mais nenhuma te bastará.

 

Sou escolhida, planeada, pensada únicamente para ti.

Só para ti.

Prenda para ti, dada só a ti.

Apenas a ti.

 

Sou perfeita, sei que sabes que sim.

Sou o teu presente, sou o teu dia de hoje, sou o teu passado desde o dia do "Sim", sou o teu futuro desde que escolhas só a mim.

 

Nas minhas fraquezas e forças, no meu melhor e no pior, no pouco e no muito, qualidades e defeitos, tudo o que sou, tudo que tenho, a ti te dou.

É que, Amor, amo também a ti.

Nas tuas fraquezas e forças, no teu melhor e no teu pior, no pouco e no teu muito, qualidades e defeitos, és o único para mim.

 

Não sei quando foi que Deus nos olhou, achou boa ideia e nos juntou. Não sei. Desconfio só.

Mas muitas são as vezes que os meus lábios dizem, por vezes em  lágrimas, outras vezes a sorrir, : "Obrigado Senhor!"

Perfeitos um para o outro, assim somos, eu e tu, tu e eu.

 

Não me digas "Obrigado!", diz só que me amas, diz, eu sei que sim!

Diz só que me amas, Amor, teu amor é quanto baste para mim.

Diz só que me amas, gosto tanto de te ouvir!

 

 

 

 

 

  

08
Nov16

Que seja o que Deus quiser...

miamarie

“E que seja o que Deus quiser.”

Quantas são as vezes que dizemos estas palavras como que de ânimo-leve…

Não é por mal que as dizemos a propósito de quase tudo, parecendo que é quase sem consciência: “ É melhor ligar para o Centro de Saúde, pode ser que o meu médico lá esteja. Se não estiver, pode ser que consiga uma consulta para daqui a poucos dias. Olha, que seja o que Deus quiser!”

Ou: “ Fogo, tenho que ir para Lisboa e tenho que levar carro, pode ser que não haja grandes confusões e até arranje estacionamento, sei lá! Olha, que seja o que Deus quiser!”

Até parece leviandade, usar o nome do Senhor para tudo e mais alguma coisa…

Pode até ser sem consciência mas tem explicação: dentro de nós existe este hábito de conectar o Senhor a tudo aquilo que não está nas nossas mãos de resolver. Uma consulta, o trânsito, um lugar de estacionamento, uma reunião com a professora do filho…e até encontrar a peça de roupa no número que sirva!

Conectar os pequenos detalhes das nossas vidas, por mais insignificantes que possam parecer, ao nome do Senhor, não é leviandade… é talvez dependência?

É acreditar que tudo aquilo que não conseguimos solucionar, Deus pode, mas, mais do que isso, é acreditar que ainda que não corra como a gente queira, o Senhor é que sabe.

Ainda que o façamos inconscientemente, quase em automático, a propósito de tudo e de nada, deixá-lo fazer.

Dependência. Confiança.

“Que seja o que Deus quiser.”

Quando a minha mãe adoeceu e eu sem fazer a mais pequena ideia do que estaria por vir, muitas vezes disse: “Que seja o que Deus quiser.” Disse-o porque sabia que eu nada podia. Disse-o querendo entregar nas mãos de Deus. Disse-o desejando do mais fundo do meu coração que o que o Senhor quisesse fosse o mesmo que eu tanto queria: que ela ficasse boa, curada e que não me deixasse ainda.

Disse-o mesmo depois de ver a minha mãe sofrer e sem eu nada perceber.

Disse-o sentindo o peso de cada letra…

Um dia, em casa dos meus pais, levantou-se o lençol para lhe aconchegarmos melhor a cama. O corpo doente e frágil da minha mãe pouco mais era do que pele e ossos. Foi inesperado, chocante e brutal. Nunca mais me vou esquecer.

No dia em que a minha mãe morreu eu estive com ela. Entrei no quarto do hospital e vê-la ligada àquela máquina deu cabo de mim. Desatei a chorar, chorava compulsivamente. E por isso, quando a médica entrou no quarto para me dizer que era uma questão de horas, ela não me disse nada, achou que eu chorava assim por alguém já me ter dito. Ofereceu-me um calmante, recusei, e ela foi embora. Quando eu saí do quarto julgava que nós duas ainda teríamos mais algum tempo. Se a médica mo tivesse dito…

“Que seja o que Deus quiser.”

Que seja o que Deus quiser enquanto esperamos.

E aceitar que foi assim que Deus quis quando já passou.

Mesmo que a gente não perceba nada, mesmo que a gente não compreenda o sofrer, mesmo que a gente ache não aguentar a dor.

A gente depende e confia de que realmente só Ele é que sabe, no durante e no depois.

E porque, quando a tormenta passa, a gente percebe que não estamos iguais, agora conhecemos mais um pouco de Deus, porque é Dele que a gente se aproxima quando é dor e tristeza o que nos atormenta.

E porque sofremos, somos agora mais pacientes com quem sofre.

E porque já nos levantamos, conseguimos ajudar a erguer quem caído ainda está.

Porque experimentamos, somos mais propensos a partilhar.

E, por causa da tormenta, aprecia-se um pouco mais a família e os amigos…todo aquele que tanto nos amou enquanto que a tormenta durou.

Mesmo quando a gente perde, a gente ganha.

Em tudo, no mais insignificante, no mais importante, que seja então como Deus queira.

 

Que Ele nos ajude a que assim seja.

 

 

 

 

 

04
Nov16

Veterinária?! É possível...

miamarie

 

Xixi, lavar os dentes, beijinho ao Papá ( anda Nonó, despacha-te!) beijinho à Mamã, Deus te abençoe, dorme bem, até amanhã!

 

- Posso brincar só mais um bocadinho e depois apago a luz Mamã?

- Tá bem filha, mas só um bocadinho, ok?

-Ok, posso ir buscar uns brinquedos?

- Podes, vai lá, mas não tragas muitos!

 

Todas as noites é assim.

E todas as noites sai-se do quarto dela deixando a luz acesa e a ela em cima da cama acompanhada da bonecada.

Ouve-se a voz dela a fazer muitas outras vozes...

Por vezes é preciso dizer-lhe: "Nonó, já está na hora, apaga a luzinha!"

Outras vezes não é necessário dizer nada, quando se olha naquela direção o silêncio reina e a única luz que se vê é a que atravessa a janela, vinda do poste lá da rua.

 

Quando pela manhã se vai acordá-la, vê-se a bonecada em cima da mesa de cabeceira.

Umas vezes a bonecada parece ter ido também dormir, todos deitados em camas improvisadas.

Outras vezes estão como quem passou a noite de guarda.

Como nesta manhã, que os encontrei nos seus postos, como quem vigia.

 

A nossa Nonó querida diz que será Veterinária.

Cá em casa, quer-nos parecer que é bem possível...

 

 

 

 

20161104_072428.jpg

02
Nov16

Sushi? Oh Yeah!

miamarie

"Mãe, um dia destes vou levar-te a um sitio onde ali sim, ali é que é Sushi!"

É uma promessa que já leva alguns meses, por causa de várias situações, foi coisa que nunca se cumpriu.

Até a última Segunda-feira.

"Mãe e hoje, já dá?"

Deu.

Lá fomos as duas, Mãe e filha.

Como a noite não estava ventosa e a temperatura era amena, escolhemos uma mesa na esplanada.

"Diana, como é que isto funciona?"
"Deixa estar mãe, deixa comigo."

"Ok! Eu deixo."

Veio o garçon, ela pediu o Menu Degustação, a bebida deixou a meu cargo.

"Sangria, tem?"

"Tem sim, de Frutos Vermelhos"

"Ok, pode trazer."

Ele foi e nós duas iniciamos o processo de pôr a conversa em dia.

Gosto das nossas conversas.

Gosto de a ouvir contar de como lhe vai a vida, gosto de lhe poder contar de como vai a minha.

Às vezes passamos por certos assuntos de forma ligeira, às vezes preocupa-me a ligeireza, preocupa-me mas há que esperar, não existem "assuntos tabus", mas existe privacidade, não existem "assuntos proibidos" mas existe o Timing que tem que ser aquele que é o Timing certo.

Eu fico preocupada com a ligeireza dela, sei que às vezes fica ela preocupada com a minha.

Mas é assim, somos Mãe e filha, adultas e amigas, conseguimos esperar.

Entretanto chegam os pedacinhos de cenoura com o molho, chega também a sangria.

E é boa!! Mas mesmo boa...

Continuamos a conversa, a temperatura está fixe mas às tantas sinto pingas de chuva... ups!

Inclino-me mais um pouco sobre a mesa e o enorme chapeu por cima das nossas cabeças resove as pingas de chuva, entretanto as duas torres de aquecimento colocadas estratégicamente entre mesas, com uma chama altissima e linda, aquecem o suficiente para nem do casaco sentir a falta.

Tá-se mesmo bem.

E chega a primeira travessa...um pratinho com uma pequena montanha de Salmão...e é D.I.V.I.N.A.L!

Divinal!

Salmão tão macio que dá a sensação que derrete na boca

E chega outra travessa: Salmão temperado com azeite, filetes fininhos e delicados, uma delicia!

E chegam os outros dois pratos...uma das especiarias está envolvida numa camada crocante que quando chega á boca se parte em mil pedaços...tem uns que são picantes...

DIVINAL é a palavra, palavra que é mesmo.

Companhia perfeita, comida perfeita, noite perfeita.

Saí satisfeita, feliz pela experiência, mas...

...não me consigo livrar desta satisfação que tem gosto a agridoce.

Porque agora, Diana, como é que eu vou encarar todos os outros Sushis de que eu tanto gostava?!

Porque agora, Diana,  depois do Sensei Lounge, tudo o resto é paisagem...

 

Havemos de voltar, Diana, desta vez rachamos despesas!

Obrigado Filha, valeu a pena

 

 

 

Sensei Lounge, Quinta de S.Gonçalo, Carcavelos.

Divinal.

Caro, mas D.I.V.I.N.A.L

 

 

14886235_10207781450675789_1213830179_n.jpg

14894440_10207781450275779_151733830_o.jpg

14963441_10207781450315780_724207397_o.jpg

 

 

 

 

 

 

 

.

 

 

01
Nov16

Paz...

miamarie

Era para ser um passeio de comboio até Lisboa, foi afinal um passeio a pé até Cascais.

A minha cara-metade andava-nos a prometer: "Um dia destes vamos até Cascais pela Ribeira das Vinhas! Vais gostar Nonó e tu também mamã! É muita giro, tem bué de árvores e um caminho que acompanha a ribeira, ela agora deve de estar seca, mas continua a ser muito fixe!"

Hoje cumpriu-se a promessa!

E lá fomos os três pelos caminhos da Ribeira das Vinhas.

E é giro.

A paisagem é bonita: árvores e plantas, passarinos a chilrear e ainda algumas cabras e ovelhas a pastar, um sobe e desce entre curvas e pedras.

É bonito.

 

Era aqui que a minha cara metade vinha brincar com os amigos, numa época em que não havia Computadores,Internet, Consolas, Telemóveis e nem Shoopings...havia caminhos bravos, carrinhos de rolamentos, caricas e berlindes, jogo das escondidas e do quarto escuro...

Ai o quarto escuro....

 

Bonito também foi ouvir o pai contar à filha como foi...

Aqui, na Ribeira, os miudos faziam corridas de canas.

Lançavam as canas à àgua e lá iam eles até Cascais, as canas na àgua, os miudos à beirinha da Ribeira, por entre pedras e terra batida, terra seca ou feita de lama, lá iam eles, a ver quem chegava primeiro.

Hoje não havia água, a Ribeira secou.

Mas esperamos regressar assim que regressem também as águas do céu.

Com botas e casacos, com o ar frio a bater na cara e o vento a despentear o cabelo, no coração um espirito selvagem!!

IMG_1148.JPG

 

Tirei as fotos da Internet, esqueci-me de pôr o tabelt a carregar, mas pior do que ter esquecido que o tablet não tinha bateria,foi ter esquecido que, antes do tablet, já eu tinha máquinas fotográficas...

Podia ter levado uma máquina fotográfica? Podia, mas nem me lembrei...

ribeira das vinhas.jpg

Ribeira das vinhas1.jpg

 

 

Chegados a Cascais fomos diretos ao Mac. Nós para os hambúrgueres, ela para a sopa.

Sim, ela para a sopa. E as batatinhas.

Ela não come hambúrguer nem Nugetts.

Só sopa e batatas.

No inicio estranhamos... não gostas de  hambúrguer?! Não gostas de Nugetts?!

Queres sopa?!

Pode lá ser?!

Pode.

 

Estava-se bem na esplanada.

A temperatura estava amena, e o Sol, escondido por trás de um manto de nuvens, não nos afligia com os seus raios fortes.

Embora o cinzento das nuvens prometessam chuva, esta foi, felizmente, promessa vã.

 

 

As pessoas que por ali passavam caminhavam sem pressas.

Pessoas de todas as formas e feitios; altas e baixas, magras e gordas e de várias origens: Europa, África, Ásia, Oriente.

Na minha esplanada notei várias nacionalidades: no meu lado esquerdo, numa mesa, uma familia portuguesa, na outra mesa ao lado um casal chinês e ainda um grupo de alemães a ocupar a última mesa.

Do meu lado direito uma familia espanhola e na outra mesa uma familia de vai-se-lá-saber-de-onde(Dinamarca?Holanda? Eta, linguagem complicada!) 

Pensei cá pra mim que bem podia ali estar gente árabe, vindos do Iraque, Irão ou da Siría, que o ambiente seria o mesmo.

Ali estaríamos todos, separados pelos espaços entre mesas mas juntos nos mesmos propósitos: desfrutar de um belo dia, desfrutar de uma refeição feliz, desfrutar dos amigos, da familia.

Juntos num propósito ainda maior: desfrutar de paz.

Nenhum de nós preocupado em saber de crenças ou religões, de politicas ou convicções.

Ninguém a perguntar a ninguém de onde vens, para onde vais.

Juntos apenas.

Na paz.

Pensei cá para mim que bom que era o mundo ser uma esplanada.

 

 

Dou por concluido assim mais um dia.

Na esperança que a promessa da cara-metade em nos levar à Ribeira das Vinhas numa destas noites seja promessa tão vã como a da chuva!

Ai coração...

Mais um dia.

Um dia bom.

 

 

 

 

 

 

 

 

28
Out16

Precioso...

miamarie

Esperei por inspiração para inaugurar este espaço.

Imaginei que o fosse inaugurar com um texto bonito, bem-disposto e alegre, tipo um daqueles textos que costumo escrever sobre a minha filhóta mais pequena.

Até pensei fazer a inauguração com uma foto maróta!

Mas nada me parecia suficientemente fixe.

Até ao dia de hoje.

Mas não é um texto alegre e bem disposto, não é do tipo de textos que escrevo sobre a minha filha.

Também não é uma foto maróta.

Mas pareceu-me ser certo.

 

O Facebook lembrou-me de um texto que publiquei faz no dia de hoje, 28 de Outubro, 5 anos.

É sobre a minha mãe, escrito no dia a seguir a ela ter sofrido um AVC.

É sobre a importãncia de retribuir carinho, dedicação, sacrificio, amor.

É sobre a importância da Familía.

É sobre a importãncia dos Amigos.

É sobre o importante de não nos sentirmos sós em momentos cruciais da vida.

 

Partilho:

 

28 de Outubro, 2011.

A minha mãe deu entrada ontem no hospital com um AVC.

Não sabemos ainda a extensão dos danos mas estamos confiando e esperando em Deus.

Depois de sair do hospital, já no carro, a caminho de casa, com o meu marido a conduzir e o meu pai sentado lá atrás, vinha a pensar no quanto a minha mãe vai precisar de nós, que é em nós que ela se vai apoiar, é connosco que ela está a contar.

Por causa do amor e dedicação que ela me dispensou ao longo de toda a minha vida e por todos os sacrificios que ela fez por mim, é-me impossível não querer estar para ela, parece-me então que está chegado o tempo de lhe retribuir na mesma moeda.

Acho que é nisto que as nossas energias deveriam de ser gastas; em construir bons relacionamentos, priorizar-mos as nossas familias, os nossos amigos...porque os maus momentos estão ali, ao virar da esquina, e estão lá para todos nós.

Creio que está um pouco nas nossas mãos escolher se queremos passar por eles (os maus momentos) acompanhados ou sós.

E a todos os meus queridos amigos, que me têm apoiado ao longo deste dia, aqui por perto, na ABLA, e os que estão mais longe mas têm telefonado, a todos um muito, muito obrigado.

Sem voçês, este dia teria sido muito mais dificil.

Bjs para todos e bom fim de semana

 

 

Dedicado à minha amada Mãe, de quem não cesso de sentir saudades.

 

E tambem:

 

Dedicado à minha Familía, a quem não cesso de amar.

Dedicado a cada amigo, pessoa preciosa e insubstituível.

Não cesso de pedir a Deus que me ajude a ser capaz de vos retribuir.

Com Amor, com Respeito,

Maria

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub